segunda-feira, 27 de agosto de 2018

A importância da Musculação para Artrose


A Musculação para Artrose tem sido pauta das últimas notícias e pesquisas médicas. A doença é extremamente debilitante, destruindo os tecidos e impedindo o movimento na sua forma plena.
Porém, embora haja todo o quadro preocupante em relação à artrose, a verdade é que existe tratamento e que ele pode transformar a vida dos pacientes para melhor. Um desses tratamentos conhecidos há anos é o exercício físico constante.
E hoje em dia, sabe-se que, além de exercitar-se, o paciente pode e deve praticar atividades de musculação para gerar o efeito contrário da atrofia – a hipertrofia.
Por esse motivo, separamos tudo que você precisa saber sobre esse assunto! Falaremos sobre as indicações para diversas partes do corpo e dos cuidados gerais necessários para evitar complicações. Confira mais abaixo o que separamos!
A importância da Musculação para Artrose
Antes de mais nada, precisamos explicar que a musculação para artrose tem sido recomendada como uma forma de auxiliar a diminuir os sintomas da doença – porém, isso deve ser feito com cuidado e acompanhamento médico.
O primeiro ponto que faz com que o exercício seja importante para o tratamento da doença é o fato de que a musculação pode gerar maior ganho de massa muscular. Além disso, podemos citar outros benefícios:
A musculação para artrose pode ser praticada sem a necessidade de aptidão prévia. Outro benefício é que o exercício não causa tanto esforço ao coração – como é o caso dos aeróbicos de alta intensidade.
A artrose causa o que chamamos de atrofia. Já a musculação traz o efeito contrário: a hipertrofia. Sendo assim, a força muscular é fundamental para trazer mais qualidade de vida ao paciente – como também a perda de peso e de gordura. [1]
Quem tem artrose pode fazer academia?
Quem tem artrose não só pode fazer academia como estudos recentes indicam que os exercícios são fundamentais. Quem passa pela doença sabe que essa é a primeira indicação médica. Porém, a novidade, como falamos mais acima, é a importância da musculação para a artrose.
Além dos benefícios que citamos, a academia pode ajudar a trazer o que chamamos de rigidez muscular, diminuindo as quedas e as dores comuns dos pacientes.



Vale sempre lembrar que todo exercício físico deve ser acompanhado por um profissional e que o seu médico precisa saber quais serão eles. Separamos alguns deles para diversos tipos de artrose:
Musculação para artrose cervical - Para quem tem artrose cervical, alguns exercícios de coluna e de peito podem ajudar a diminuir os sintomas.
Musculação para artrose no ombro - A musculação para artrose no ombro também passa pela mesma premissa. Exercícios em aparelhos são os mais indicados – sempre com o peso mais leve, aumentando conforme a evolução do paciente. Treinos de ombro costumam ser simples e fáceis de executar.
Musculação para artrose no joelho - Já nos joelhos, exercícios de perna e até mesmo bicicleta pode ajudar a diminuir os sintomas. Além disso, os agachamentos também podem ser recomendados para esse tipo de problema. No geral, o joelho exige exercícios bem direcionados e com peso leve – aumentando conforme a melhora do paciente.
Musculação para artrose na coluna - Assim como no caso da cervical, a musculação para artrose na coluna pode envolver exercícios de peito e exercícios de braço. Alongamentos e treinos funcionais ajudam bastante também nesses casos.



Musculação para artrose no quadril - A musculação para artrose no quadril pode envolver agachamentos esporádicos e também musculação em todos os músculos do corpo, como ombros, peito e coluna.
No geral, o mais indicado é que o paciente faça séries em vários músculos – evitando que um fique mais trabalhado do que o outro. Mesmo que o seu tipo de artrose seja específico, a dica principal é fazer um treino generalizado.
Em relação aos exercícios aeróbicos, o cuidado deve ser redobrado, especialmente quando falamos de pacientes idosos. Isso porque a musculação exige menos do sistema cardiovascular, diferente de exercícios como corrida e até simples caminhadas. Esse é mais um dos motivos que tornam a musculação para artrose uma boa pedida.[2]
Por fim, a dica é que você converse com o seu médico e com seu treinador físico para que ele saiba das suas limitações e também das suas reais necessidades. Em caso de dores, pare o exercício imediatamente.
Quem tem artrose pode fazer agachamento?
Assim como explicamos mais acima, quem tem artrose no joelho pode fazer agachamentos – inclusive, algumas vezes eles são indicados pelos médicos de maneira direta. Mais uma vez, lembramos da importância do acompanhamento profissional e do tratamento correto.
Jamais faça agachamentos em casa sem indicação. O risco de lesão para pacientes com artrose é muito maior e pode causar problemas sérios.
Quem tem artrose pode andar de bicicleta?
Sim! Quem tem artrose pode e deve fazer exercícios como andar de bicicleta – especialmente quem tem artrose nos joelhos. Como falamos ao longo desse texto, toda atividade física vale a pena para quem tem a doença. Obviamente, a indicação é começar aos poucos, sempre evitando excessos – subir morros, por exemplo, deve ser feito com cuidado e sempre com orientação de um profissional.
Além disso, as bicicletas ergométricas também merecem cuidado especial. Ao aumentar o peso, o paciente com artrose deve seguir recomendações e ficar de olho nas dores que pode sentir depois do exercício. Começar aos poucos é o segredo!
Para finalizar…
A musculação para artrose é essencial para quem quer ter uma vida mais saudável e feliz. Porém, jamais esqueça da importância de procurar indicação médica e de seguir seu tratamento corretamente antes de começar as séries.
Além disso, na academia, o auxílio de um professor é ainda mais importante – jamais faça exercícios sem orientação ou sem o devido cuidado com o excesso. Procure sempre respeitar o seu corpo e os seus limites para garantir a melhora dos seus sintomas!
E não esqueça: comece com pesos mais leves e aumente aos poucos – em um limite máximo de acordo com a recomendação do seu médico.
Referências
1. Antônio Augusto de Arruda Silveira Júnior, médico especialista em clínica médica
2. Arthritis Exercises: Range-of-Motion and Strengthening Workouts.
Fonte -  Dicas de Treino

10 motivos para você fazer Musculação para Ansiedade


Poucas pessoas já pensaram na musculação para ansiedade como forma de lidar com esse problema tão comum nos dias de hoje. Afinal, vivemos uma era onde o estresse domina a todos e o excesso de trabalho faz com que seja cada vez mais difícil manter o controle.
No texto do hoje vamos falar sobre a ansiedade e sobre como a musculação pode ajudar a diminuir os piores sintomas dela. Vamos explicar tudo que você precisa saber sobre a união entre musculação e problemas de saúde mental.
Também separamos 10 motivos para que você comece seu treino hoje mesmo! Confira!
Quem tem ansiedade pode treinar?
Antes de falar sobre os motivos que farão você pensar na musculação para ansiedade, vamos explicar se é possível realizar exercícios, mesmo estando em um quadro ansioso. É importante lembrar que todo problema de saúde mental exige acompanhamento psicológico especializado – se você sentir que está fora do controle, vá atrás de um profissional.
Porém, saiba que todo exercício é benéfico para o nosso cérebro, mesmo quando estamos ansiosos. Para quadros menos severos, não há nenhuma restrição – a não ser o fato de ser fundamental procurar um educador físico antes de sair do sedentarismo.[1]
Já se você está com ansiedade generalizada, que é a doença mais avançada, aconselhamos que fale com um psicólogo antes de ir à academia. O ambiente cheio pode te deixar desconfortável nesse caso.
Musculação e Ansiedade – Há relação?
Separamos mais abaixo 10 motivos para você fazer musculação para ansiedade. Mas, já adiantamos, há muita relação entre o sedentarismo e os problemas de saúde mental. Pessoas que não se exercitam costumam ter uma propensão muito maior para esse tipo de distúrbio.
E o motivo é basicamente hormonal: sem a atividade física, nosso corpo passa a produzir menos hormônios da felicidade e mais hormônios que causam estresse, fadiga e sonolência.
Musculação pode ajudar na Depressão: Veja como reduzir os Sintomas
Os médicos e psiquiatras são enfáticos: mudar um quadro de problema mental exige movimento e contato com outras pessoas. E a musculação tem um bônus a mais: ela é capaz de estimular muito o seu corpo, pois sua intensidade é alta. [2]
Sem dúvidas, a relação entre musculação e ansiedade é gigante e você vai se surpreender ao saber como ela pode te ajudar a ser mais feliz e a dar adeus às crises.
Além disso, pessoas com início de depressão também podem se beneficiar da prática.
Benefícios da Musculação para Ansiedade
Separamos 10 motivos para você utilizar a musculação para ansiedade – ou seja, para o combate contra ela. Confira mais abaixo as razões que vão te fazer considerar esse exercício para lidar com o seu problema!
1 – Traz saúde Física
Esse é o primeiro motivo para você fazer musculação para ansiedade. É claro que a ansiedade é uma questão mental, porém, uma das maiores preocupações de um ansioso costuma ser o medo de adoecer ou de não ter controle sobre seu corpo. Saber que você tem saúde física ajuda – e muito – a lidar com os excessos de medos.
2 – Libera os hormônios
A musculação é como qualquer outro exercício e, por isso, ela libera hormônios como o a serotonina. Todos eles são excelentes para a felicidade e para deixar o cérebro satisfeito. Essa liberação de hormônios na musculação é ainda mais intensa – já que estamos falando de um exercício que exige mais força do corpo.
Vale dizer que você vai sentir os benefícios em pouco tempo de treino, porém, pode não ser exatamente no primeiro dia. Ainda assim, a sensação que fica após o exercício costuma ser recompensadora!
3 – Traz Autoestima e autoconfiança
A ansiedade nem sempre tem relação com a autoestima e com a autoconfiança, mas sabe-se que ter qualquer problema nessas duas áreas é um prato cheio para desenvolver distúrbios psicológicos. Nesses casos, a musculação para ansiedade pode ajudar bastante – já que é um exercício que estimula o corpo e traz aquela sensação de rigidez muscular.
Mesmo que você não seja de fato uma pessoa preocupada com a aparência, a musculação costuma trazer mais autoconfiança, o que pode ser um santo remédio.
4 – Convivência com outras pessoas
Quem sofre de ansiedade tem a tendência de se isolar das demais pessoas. Esse é um problema relativamente comum e que agrava o quadro. Embora você possa realizar exercícios de musculação em casa – se tiver aparelhos pra isso – a ida até a academia ainda é o caminho mais fácil.
Conviver com outras pessoas, falar com professores e escutar músicas animadas podem diminuir suas crises e te incentivar a sair mais em outras ocasiões. Além disso, será mais fácil lidar com a timidez quando você já conseguiu ir para um ambiente tão exposto quanto a academia.
5 – Senso de obrigação
Ao começar um treino, o senso de obrigação passa a fazer parte da nossa vida. Existem pessoas te esperando: seus colegas, seu treinador e a mensalidade já está paga. Esse compromisso pode ser a sua saída para conseguir evitar se fechar em casa.
Além da musculação para ansiedade, podemos dizer também que ela é excelente para a depressão. Pessoas que ficam muito tempo sozinhas tendem a sentir solidão e desenvolverem receio de encontrar com as demais. Ter um compromisso diário pode mudar esse quadro.
6 – Motivação derivada de outras pessoas
Além do seu professor e dos colegas, quando você disser aos seus amigos e familiares que decidiu fazer musculação para lidar com a ansiedade, é provável que eles passem a querer te motivar. Embora seja importante deixar claro que a pressão exagerada não é saudável pra você, motivação nunca é demais.
Deixe as pessoas falarem com você, converse sobre a ideia e mantenha o ritmo – quando sentir desânimo, lembre-se de todos que decidiram te apoiar nessa empreitada.
Tudo isso é válido para que não haja o erro de se fechar do mundo. A ansiedade se combate lutando de frente, sem se esconder dos desafios – e a musculação pode te ajudar muito nesse processo.
7 – Diminui o estresse
Sabe-se que a musculação é excelente para curar o estresse e essa informação já não é segredo pra ninguém. O exercício é capaz de diminuir os níveis do hormônio cortisol e, com isso, fazer com que o estresse fique cada vez mais longe da sua vida.
Como sabemos que a ansiedade pode derivar dos altos níveis de estresse, é possível que diminui-lo ajude a combater o problema aos poucos.
8 – É uma fonte de prazer
Toda atividade física pode ser uma forma de prazer, especialmente as que alta intensidade. É possível que você demore algumas semanas para notar a diferença, mas irá perceber com o tempo o quanto se sentiu melhor frequentando a academia.
Ter fontes de prazer e válvulas de escape faz com que a ansiedade seja aos poucos eliminada da sua vida. Por isso, além da musculação, leia um livro, passeie com os amigos e se divirta. Faça com que o prazer esteja presente na rua rotina – nem que você precise insistir um pouco para que isso aconteça.
9 – Diminui compulsões
Pessoas ansiosas podem facilmente ficar acima do peso devido às compulsões. É comum que haja o desejo de jogar as frustrações em cima da comida, por exemplo. Dessa forma, temos um ciclo vicioso, que consiste em: comer muito, se sentir culpado e comer muito novamente pela culpa.
A musculação para ansiedade diminui as compulsões, já que você terá uma nova fonte de prazer e de queimar os excessos. Assim, pode ser que o ciclo se rompa!
10 – Os resultados estimulam
Sem dúvidas, os resultados de um treino físico nos estimulam a ir além. Porém, a musculação é ainda mais intensa e os resultados são ainda maiores – temos aumento da musculatura, mais massa magra sendo construída dia após dia e o emagrecimento como bônus.
Não há como negar que, quando as pessoas se sentem mais bonitas, elas diminuem suas cobranças e passam a viver uma vida mais leve. Por isso, apostar na musculação é uma ótima saída para chegar aos objetivos físicos e ainda conseguir diminuir os sintomas da ansiedade.
Não esqueça: a ansiedade generalizada é uma doença onde o quadro ansioso tomou proporções enormes – e, por isso, precisa de auxílio psicológico, ou até de medicação.
Mesmo assim, realizar exercícios físicos só poderá te ajudar! Faça um acompanhamento com um nutricionista, um treinador físico e um profissional da área de saúde mental. Cuide de você!


Referências - 1- Neuropsicóloga Nádia Urankar 
2- Daniel Frota, médico especialista em treinamento físico.

Fonte - Dicas de Treino